Curso Estudos Técnicos com a Herpetofauna (Técnicas de Amostragem de Anfíbios e Répteis para Estudos Ambientais)

25/11 – 26/11

A herpetofauna, constituída pelos répteis e anfíbios, é um grupo faunístico de destaque nos estudos ambientais, sendo bastante notável em quase todas as comunidades terrestres. Devido à sua baixa mobilidade, especificidade de habitat, requerimentos fisiológicos e facilidade de estudo, anfíbios e répteis são considerados modelos ideais para estudar os efeitos da fragmentação e também um grupo de destaque para estudos em regiões sob pressão de empreendimentos impactantes. As características anatômicas e fisiológicas dos anfíbios tornam esses animais extremamente sensíveis a mudanças ambientais e, dessa forma, excelentes bioindicadores. A definição e execução de métodos de amostragens da herpetofauna serão abordados no presente curso, além do estado de conhecimento da herpetofauna brasileira, métodos de identificação e análise de anfíbios e répteis em campo e laboratório, utilização de dados ecológicos da herpetofauna para indicação de condições ambientais e métodos de estudos com anfíbios e répteis em projetos ambientais. Além disso, serão abordados os cuidados no manuseio de anfíbios e répteis e riscos e prevenção de acidentes.

CONTEÚDO

Parte 1


Estado atual de conhecimento sobre a herpetofauna brasileira


Identificação de anfíbios e répteis


Ecologia de anfíbios, lagartos, serpentes, jacarés e tartarugas


Ofidismo


Primeiros socorros e prevenção de acidentes com répteis e anfíbios (Ministrado pela Médica do Centro de Controle de Envenenamentos do Paraná, Lenora Rodrigo)

Parte 2


Anfíbios e répteis como bioindicadores


Objetivos usuais dos estudos ambientais: diagnóstico e monitoramento, métricas; resgates de fauna


Protocolo mínimo (levantamento/monitoramento): dados de base; dados de campo, riqueza e abundância ao longo do tempo e espaço.


Métodos de estudos de campo com répteis e anfíbios; busca ativa e visual (períodos diurno e noturno); armadilhas de interceptação e queda; covos ou armadilha de funil; transectos auditivos; técnicas de marcação

Parte 2


Anfíbios e répteis como bioindicadores


Objetivos usuais dos estudos ambientais: diagnóstico e monitoramento, métricas; resgates de fauna


Protocolo mínimo (levantamento/monitoramento): dados de base; dados de campo, riqueza e abundância ao longo do tempo e espaço.


Métodos de estudos de campo com répteis e anfíbios; busca ativa e visual (períodos diurno e noturno); armadilhas de interceptação e queda; covos ou armadilha de funil; transectos auditivos; técnicas de marcação

Parte 3


Contenção e captura


Equipamentos de manuseio


Soltura, afugentamento e relocação; resgate e destinação


Preparação e preservação de material científico

Parte 4


Planejamento amostral


Preparação e análise dos dados


Elaboração de relatório de atividades com base em estudo de caso prático acompanhado

Parte 4


Planejamento amostral


Preparação e análise dos dados


Elaboração de relatório de atividades com base em estudo de caso prático acompanhado

Práticas em Campo


Definição e realização das amostragens


Procura visual limitada por tempo


Registros auditivos em sítios de reprodução de anfíbios


Armadilhas de barreira e queda


Análise do uso do hábitat pelas espécies

PROGRAMAÇÃO

O curso possui carga horária total de 20 horas, sendo 9 horas de aulas práticas

As aulas teóricas e práticas do curso serão realizadas na região de Porto de Cima, em Morretes, Paraná, no Espaço Ecológico João Mineiro. O local conserva belas áreas de Mata Atlântica e está localizado em frente a um exuberante trecho do rio Nhundiaquara. A área foi escolhida por apresentar características favoráveis à presença de diversas espécies de répteis e anfíbios.

No sábado (25 de novembro) os alunos terão aulas teóricas e práticas no local, em Porto de Cima, Morretes durante todo o dia e também no período noturno. Serão servidos café da manhã, almoço, coffee break e jantar para os alunos.

No domingo (26 de novembro), serão realizadas aulas durante todo o dia e as atividades serão encerradas às 16:00. Serão servidos café da manhã e almoço para os alunos.

Os alunos, professores e a equipe de organização do curso ficarão hospedados durante a realização do curso (de sábado a domingo) na Pousada Itupava e no Espaço Ecológico João Mineiro, com diferentes opções de acomodações.

Valor do Curso: R$520,00
(1° LOTE – VAGAS LIMITADAS)


O valor pode ser pago através de boleto bancário, depósito em conta ou cartão de crédito ou débito, através do Pagseguro, com opção de parcelamento.

Estão incluídos no valor: curso, alimentação (sendo 2 cafés da manhã, 1 coffee break, 2 almoços e 1 jantar), certificado com carga horária de 20 horas e hospedagem em alojamento compartilhado.

Se o aluno optar por alterar a forma de hospedagem disponibilizada acima, deverá pagar o valor adicional de:
R$75,00 para uma diária em suíte compartilhada (com cama box, ar condicionado, TV e frigobar)
ou
R$90,00 para suíte single (com cama box, ar condicionado, TV e frigobar).

OS PROFESSORES

SÉRGIO AUGUSTO ABRAHÃO MORATO


Sérgio Augusto Abrahão Morato é biólogo, com Mestrado e Doutorado em Zoologia pela Universidade Federal do Paraná. Trabalha com répteis desde 1984. Sua experiência abrange trabalhos junto ao Museu de História Natural de Curitiba, à COPEL, à Universidade Tuiuti do Paraná e à Universidade Positivo, aonde atuou como professor das áreas de Zoologia e Ecologia. Atualmente é Consultor Sênior da STCP Engenharia de Projetos e de empresas de diversas regiões do país, atuando em avaliações de impactos ambientais e monitoramentos de fauna junto a empreendimentos dos setores de energia, mineração, infraestrutura, agricultura e florestal. Em seu currículo constam descobertas de diversas novas espécies para a ciência, inclusive duas serpentes.

LENORA RODRIGO


Lenora Rodrigo possui graduação em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Foi médica do SIATE de Curitiba por dez anos e médica sanitarista da Secretaria de Estado de Saúde do Paraná desde 1992. Atuou como emergencista no Serviço de Resgate da ECOVIA, Porto de Paranaguá e SAMU Litoral, e também como médica voluntária no COSMO (Corpo de Socorro em Montanha). Atualmente é médica plantonista do Centro de Controle de Envenenamentos do Paraná.